Desastres naturais geraram US$ 250 bi em perdas em 2023

Valor segurado, de US$ 95 bilhões, não chegou nem à metade do total; fortes tempestades puxaram aumento

Por Italo Bertão Filho.

O ano passado foi mesmo o mais quente em um século e meio de medições. Todas as regiões do planeta sofreram aumento nas temperaturas, que ficaram 1,48ºC acima do padrão registrado na era pré-industrial, de acordo com dados divulgados pelo monitor climático da União Europeia, o Copernicus, nesta terça-feira.

E a conta dos desastres naturais e eventos climáticos extremos também já chegou: foram cerca de US$ 250 bilhões em prejuízos no mundo todo, de acordo com um levantamento da Munich Re, a maior resseguradora do mundo.

A conta inclui terremotos devastadores que atingiram o leste da Turquia e a Síria, em fevereiro, e o Marrocos, em setembro.

 

Mas o destaque ficou com os eventos associados à mudança do clima. Tempestades causaram perdas de US$ 66 bilhões nos Estados Unidos e de US$ 10 bilhões na Europa. Desses totais, US$ 50 bi e US$ 8 bi estavam protegidos por seguros respectivamente, segundo a Munich Re.

“Pesquisas científicas indicam que a mudança climática favorece tempestades severas. Igualmente, as estatísticas de prejuízos com tempestades na América do Norte e em outras regiões apresentam tendência de alta”, afirmou o comunicado da resseguradora.

“A sociedade e a indústria precisam se adaptar aos riscos em transformação, ou as perdas vão inevitavelmente aumentar.” 

Os prejuízos cobertos por seguros foram de US$ 95 bilhões, montante que não chega nem à metade do total dos prejuízos. O volume superou a média da última década, que foi de US$ 90 bilhões.

Essa nova realidade está levando as seguradoras a repensar a classificação de riscos de tempestades, segundo a Bloomberg. O setor costumava categorizar os danos provocados pelas chuvas como de pequeno e médio porte.

Mas, com as tempestades mais extremas, a classificação pode mudar, o que poderia afetar também os valores envolvidos e as áreas em que são oferecidas apólices.

 

Fonte: Station